Biquini, Maiô e Praia

Este post é uma reformulação do original "Biquini, Maiô e Trajes de Banho", depois de muita oração e reflexão sobre o assunto. Espero que apreciem. 



Quando eu era mais nova, ia para a praia e piscina com minha família e ficava morrendo de vergonha de usar biquini. Eu olhava, olhava, e pensava: "só tem esse jeito mesmo de nadar?".
Eu adorava brincar na água! Mas me sentia muito desprotegida usando duas peças tão pequenas de tecido. Minha mãezinha não tinha a noção de modéstia que temos hoje, e não olhava com maus olhos usar trajes de banho na praia ou piscina. Não olhava com maus olhos usar biquini, afinal, eu era jovem, magra, tinha corpo bonito.
Minha avó, católica e defensora da modéstia, sempre reprovou o uso de biquinis e até o ambiente da praia. Minha mãe, nascida na década de sessenta, uma época de revolução sexual, apesar de muitíssimo apegada às tradições e à religião católica, era muito ingênua e não tinha discernimento sobre determinadas coisas.
Assim, até meus quinze anos, eu frequentei muitas praias e piscinas de biquini, e quando olho meu passado fico muito entristecida com isso.

Hoje, tenho uma outra noção sobre o assunto.

Sabemos que os documentos emitidos pela Igreja sobre trajes de banho não têm valor doutrinal, mas de orientação pastoral. É então que muitas pessoas se questionam até que ponto é lícito ou não para um católico frequentar o ambiente da praia em épocas de extrema sensualidade e impureza.

Praia: Ir ou não ir? O que a Igreja diz sobre o assunto?


Quando olhamos o Catecismo da Igreja Católica e a Tradição da Igreja, não encontramos um "pode ou não pode" específico para cada situação da vida, mas "regras morais genéricas e universais, enquanto as situações concretas são todas individuais", parafraseando São Tomás de Aquino.

Nesse sentido, cada cristão deve rezar, pedir orientação ao seu diretor espiritual e julgar, a começar por si e pelos que estarão consigo, se determinadas situações são convenientes ou não.

Se quisermos crescer em santidade, não podemos ficar na mentalidade "é pecado x não é pecado", mas sim pensar como podemos agradar mais a Deus!

Será que você vai estar agradando a Deus se expondo (e expondo seu namorado/marido/filhos) a um ambiente de praia em que as mulheres desfilam semi-nuas?

Será que você vai estar agradando a Deus usando um maiô ou biquini cavado, que expõe as nádegas, seios e virilha?

É muito gostoso brincar na areia, sentir o calor do sol e a brisa do mar, brincar de pular onda ou apenas entrar na água para sentir a sensação geladinha dela! Mas qual é o ambiente em volta de nós? Será que é um ambiente sadio? Ou podemos nos expor a pensamentos e olhares maliciosos?

Pode ser que para as mulheres não seja problemático ir a um ambiente de praia, mas para os homens é uma ocasião muito forte de pecado pelas outras mulheres que ali frequentam.

Não estamos a dizer que todas as praias são ambientes impróprios ao cristão, nem estamos a demonizar as praias. É bem verdade que, como leigos, vivemos no mundo, e não faz sentido vivermos como se fôssemos consagrados, isto é, deixando diversões e situações de socialização por considerar tudo impróprio. Faz parte do dever laical buscar a santificação de seu estado e de seu cotidiano, sem parecer estranho ou antiquado ao mundo, mas rejeitando o que não convém e sabendo escolher e santificar o que convém.

Assim, cabe refletir que existem praias e praias, lugares e lugares. Muitas pessoas costumam alugar casas em praias menos populares e mais privativas, o que torna o ambiente mais sadio. Em outras situações, grupos de moças resolvem visitar praias vestidas decentemente. Há ainda os que frequentam praias badaladas em horários mais calmos.

Em todas as situações, há que se ter discernimento e prudência! Quem está bem formado em virtudes sabe muito bem encontrar o equilibrio de se vale a pena ou não visitar uma praia, e qual praia visitar.
 
Caso haja dúvida, vale consultar um bom diretor espiritual. Apesar de estarmos acostumados ao divertimento do verão ser sempre praia, podemos pensar em outras alternativas - inclusive mais econômicas - e que sejam igualmente divertidas (como alugar uma chácara, passar alguns dias em uma fazenda, acampar, visitar cidades históricas, etc).

Quanto às vestimentas, não vamos colocar indicações, sugestões ou fazer comentários, mas deixamos que a inteligência e formação moral de cada leitor, após tanta reflexão sobre o ambiente a se frequentar, também reflita muito bem sobre a roupa a se usar. O único adendo que faremos é sobre o biquini.

Adendo: O biquini

A Lu, do Teus Vestidos, explica muito bem por que usar biquini não é digno para uma mulher cristã. Como complemento, coloco este vídeo da Jessica Rey (a.k.a Ranger Branca! rsrs). Vale muitíssimo apena assistir!

  
Obs: O estudo que ela comenta é este aqui.

Fiquem com Deus e Salve Maria!

You Might Also Like

10 comentários

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Se você me arranjar uma costureira no Rio de Janeiro que saiba fazer um maiô lindo desses, serei eternamente grata.

    ResponderExcluir
  3. Que lindos os maillots, cheios de classe.

    ResponderExcluir
  4. Na minha opinião,ao usar o traje de banho,não penso somente em que tipo de sentimento devo despertar no outro,mas principalmente na preservação do meu corpo de todas as formas.Acredito em um certo individualismo que caminha de forma equilibrada com o fato de que devemos estar atentos ao convívio em sociedade e a forma como nos apresentamos a ela em todos os momentos para fins de impor respeito, evitar constrangimentos pessoais,abusos e olhares maliciosos de cobiça e hiper sexualização do corpo feminino.

    ResponderExcluir
  5. Então não quer dizer que não possamos ir à praia, mas sim que devemos ter prudência e planejamento na hora de ir?

    ResponderExcluir
  6. Sinto muito pela minha ignorância, mas não entendi, eu devo ou não devo ir à praia? Pois no meu caso, a cada dois anos eu e minha família saímos de uma rotina desgastante no interior do país para podermos ir à praia, um lugar que nós amamos e vamos lá apenas para curtir as belezas naturais que não vemos no nosso dia a dia, geralmente vamos a resorts, mas então eu teria que ficar o dia inteiro no quarto do hotel e esperar chegar a madrugada para que eu possa me divertir na água? Não estou entrando na questão da roupa, pois costumo sempre procurar as alternativas mais decentes e também não estou sendo grossa, essa é minha dúvida mesmo sabe, pois não entendi nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Maria Helena! Salve Maria!

      Me desculpe, talvez a mensagem não tenha ficado clara...
      A Igreja não fica colocando regrinhas para tooodas as situações de nossa vida! Por exemplo, na questão de vestimentas, não existe na doutrina algo que diga "olha,pode usar tal roupa ou não pode usar tal roupa". Existe, claro, as virtudes da modéstia, do pudor, da prudência... Parece algo abstrato pensar "tá, mas como aplico essas virtudes para minha vida, em situaçoes concretas?". Depende!
      Seria muito fácil se tivéssemos um caderno falando como agir em determinada situação para alcançar o céu. Mas as pessoas são singulares, únicas, e as situações que vivemos, por mais que às vezes se assemelham com situações de outras pessoas, também são únicas!

      Assim que, o que colocamos no texto é que devemos usar as virtudes e analisar cada situação em particular...

      No seu caso, todo mundo que vai a praia nessa época vai com o intuito de ver as belezas naturais e aproveitar o tempo em família? ótimo!!! Pode acontecer de alguem que vá com a senhora não ter uma vida interior sólida ou não ser formado em virtudes e acabar, ao ver mulheres de biquini, fio dental, e afins, pecando por pensamento? Se sim, então é melhor repensar essa praia, e talvez encontrar outras alternativas de divertimento, como ir a cidades históricas, fazer esportes radicais, etc.

      No texto em momento algum se fala que é para ir na praia só em momentos que não tenha ninguem! Nós vivemos no mundo e a todo momento temos a oportunidade de evangelizar, primeiramente com nosso exemplo! É muito bom que você frequente resorts com sua família! É muito bom que você saia com eles para passear e se divertir! Isso é otimo!!! É o que deixa a vida mais gostosa!!

      A questão que colocamos é que, enquanto para algumas pessoas ir a praia é uma grande ocasião de pecado (porque há muitas mulheres de biquini, sensuais, etc) para outras não é. Entende o nosso ponto?

      É por isso que não existem "normas" da Igreja sobre isso... Tudo depende... Tem gente que pode ir na praia tranquilamente e tem gente que lá é uma grande ocasião para pecar. O mesmo se aplica a festas, barzinhos, baladas, etc.

      É claro, também, que há locais explicitamente impróprios para qualquer bom católico, como praias do nudismo e afins.

      A questão ficou mais clara? Senão, posso tentar explicar de outra maneira! ;)

      Fique com Deus e grande abraço!

      Excluir
  7. Salve Maria!
    Eu achei interessante a abordagem do texto e concordo,na minha opinião não dá pra ser modesta com traje de banho.
    Me responda uma dúvida por favor,e se eu estiver só em família,seria imodesto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida! Salve Maria!

      Em momento algum afirmamos no texto que trajes de banho são imodestos. O que afirmamos é que tudo depende do bom senso e da ocasião.
      Fizemos uma ressalva para o biquini, este sim imodesto.
      Pedimos a gentileza de que leia a resposta ao comentário acima. Se mesmo assim restar dúvidas, nos procure.

      Abraços

      Excluir