Sobre o Homem e a Mulher – Parte I – Características


Faremos uma breve série de dois textos sobre o Homem e a Mulher, em uma abordagem envolvendo alguns estudos patrísticos[1] e da Tradição da Igreja sobre o tema. Na primeira parte discutiremos sobre as características próprias de cada sexo; na segunda parte sobre as diferenças na espiritualidade e uma reflexão sobre a autoridade e submissão



Por Pedro Machado (pseudônimo)


No princípio Deus criou Adão, o Homem, a Humanidade. Na solidão do Homem Primordial, Deus gerou Eva de Adão. E disse Adão: “Eis agora aqui o osso de meus ossos e a carne de minha carne; ela se chamará mulher, porque foi tomada do homem.” (Gênesis 2:23) A Mulher foi criada da costela do Homem, do lado do Homem em êxtase místico, assim como a Igreja nasceu do lado direito de Jesus Cristo, Nosso Senhor, na Cruz. 


Tal como a Igreja é o próprio Cristo pleno, porque a Igreja é o Cristo que se faz presente na História até o fim dos tempos – o Sagrado Mistério da Encarnação continua da Igreja –, assim é o Homem e a Mulher, duas formas distintas que só são plenas quando unidas. Assim como a Igreja é o Corpo de Cristo, e Ele a cabeça Dela, assim a mulher é o corpo do homem, e ele sua cabeça.

Mas por que o homem e a mulher são complementares? São Clemente de Alexandria ensinava que a criação de Eva implicou em uma divisão das energias e potencialidades de Adão, “Toda suavidade e passividade que havia nele foi abstraída por Deus do lado de Adão quando formou a mulher Eva”. O que isso significa? Significa que Adão carregava em sua natureza todas qualidades espirituais masculinas e femininas, e assim a criação de Eva foi também uma divisão. Essa divisão, no entanto, não é algo negativo, mas algo que faz parte dos planos de Deus para a Criação. Não é verdade que há uma divisão em que homens e mulheres permanecerão até o fim das eras na mesma condição; o Sagrado Matrimônio cria uma só carne entre o homem e a mulher, e de certa forma o Santo Casamento restaura a unidade do Adão Primordial. O Sagrado Matrimônio une em uma só carne as potencialidades dos espíritos masculino e feminino.




No plano da anatomia e fisiologia, o homem é fisicamente mais forte que a mulher, e esta é psicologicamente mais tolerante a suportar angústias que o homem [2]. Psicologicamente, há uma tendência masculina à proteger, colocar-se à frente, enquanto que a mulher tem uma tendência à ser protegida, cuidada, servir e colocar-se na retaguarda [3]. Observem crianças de dois ou três anos, menino e menina, brincando. A mulher cuida, dá nome à boneca, troca de roupa, dá carinho. O homem necessita de vigor físico, quer correr, pular, descarregar a energia que possui.


Estas diferenças, físicas, espirituais e psicológicas, se refletem no matrimônio e na vida em sociedade de modo a potencializar e complementar tais esferas.



Continua: Parte II



Notas:


[1] Patrística é o conjunto dos relatos e escritos dos primeiros padres da Igreja, presentes nos primeiros séculos do Cristianismo.  Este período vai no ocidente até a morte de S. Isidoro de Sevilha (636) e no oriente até a morte de S. João Damasceno (749).

[2] Ao final da puberdade, os meninos conseguem exercitar-se durante períodos mais longos e conseguem exercer mais força por onça (28 g) de músculo do que meninas do mesmo tamanho. Os meninos desenvolvem corações e pulmões relativamente maiores, o que lhes proporciona uma pressão sanguínea mais elevada quando seus músculos do coração contraem, uma frequência cardíaca em repouso mais baixa e uma capacidade maior para carregar oxigênio no sangue. Isto, somado a outras alterações diferenciadoras no desenvolvimento físico de homens e mulheres, explica porque os homens têm sido tradicionalmente os guerreiros, os caçadores e aqueles que fazem o trabalho pesado durante toda a história humana, ao passo que as mulheres, segundo Hayflick (1994) apud Cole;Cole (2001), são, em media, mais saudáveis, vivem mais tempo, e são mais capazes de tolerar o estresse a longo prazo, portanto mais sujeitas a cuidar dos filhos e do lar.
Fonte: COLE, M.; COLE, S. O desenvolvimento da criança e do adolescente. Porto Alegre: Artmed, 2001.

[3] Veja também: http://hypescience.com/encontradas-surpreendentes-diferencas-entre-a-conectividade-dos-cerebros-masculino-e-feminino/

You Might Also Like

1 comentários

  1. No início de Dezembro eu participei de um curso de férias do Seminário maior da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Um dos seminaristas tinha escrito e publicado um livro, um comentário à Teologia do Corpo.

    Citando Genesis 2,21: Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre Adão, e este adormeceu; e tomou uma das suas costelas, e cerrou a carne em seu lugar;

    Por que Deus não pegou mais barro para fazer a mulher ?
    O Papa João Paulo II concluiu que, ao fazer Adão dormir, Deus criou Eva a partir do "não ser" do homem, já que no sono estamos inconscientes. E também, Deus quis tirar a mulher da costela do homem para que ambos sejam da mesma natureza, para que sejam do mesmo material, para que se reconheçam como semelhantes.

    ResponderExcluir