Why are young brazilians so conservative? - Cecília Bergamaschi

Matéria publicada no site Canvas 8, que auxilia empresas a entenderem os consumidores e demandas do mercado. Após a transcrição, coloco as perguntas e respostas que troquei com a jornalista. Estou ajudando o capitalismo? Estou servindo de resposta grátis para pesquisas de mercado? O que penso sobre isso é algo bem modesto (com o perdão do trocadilho): estou tentando ser sal e luz no mundo, onde quer que eu estiver!

Young Brazilians who identify with traditional religious, societal and family values have become more vocal in recent years, expressing their views on everything from politics to drugs to sexuality both online and offline. But who are these new conservatives, and what’s driving their beliefs?




Scope

Brazil is often associated with football, Carnival, stunning beaches, and beautiful bodies. The image of a liberal, easy-going and open-minded country is reflected in images of people dancing the samba and kids playing football in favelas. But scratch the surface and a conservative core is revealed. In fact, a growing number of youngsters who follow traditional values are becoming more vocal, using social media as a platform.
The country has long held conservative beliefs when it comes to religion, personal values and political views, but more and more young people are now turning to conservatism. “This is mainly due to the wide dissemination of movements and influential people in social media,” explains 21-year-old Débora Lima, who blogs about dating, fashion, literature and music from a Christian viewpoint on Pólen por Pólen. “It’s where many young people have their first contact with conservative ideas – they identify with them, look to know further about them and end up sticking
with them.” [1]
A study carried out in 2015 involving 2,437 young Brazilians found that most have conservative views regarding topics like drugs, homosexuality and pornography. For over half (51%) watching porn is ‘morally unacceptable’, with 67% saying it’s ‘morally wrong’ to smoke cannabis.
Additionally, 30% of 16- to 24-year-olds surveyed objected to gay relationships, and 79% of all respondents condemned abortion. [2] But what’s behind this conservative wave, and why do so many young Brazilians share these values?


The unlikely revolutionaries

The centre-left Workers’ Party (Partido dos Trabalhadores) has been in power in Brazil since 2002. After a period of economic growth, when millions migrated from poverty to the middle classes aided by government benefits, the country is now in the midst of a crisis, with high rates of unemployment and inflation, and a corruption scandal that has culminated in the impeachment process of President Dilma Rousseff.
Across the country, marches involving millions of people, both supporting and protesting the government, have been staged. “For many young people, the government has gone too far,” argues Illgner Geovanne, a 25-year-old YouTuber dedicated to promoting conservative ideas and values. He adds that there’s been a ‘sharp rise’ in the number of young conservatives because they don’t feel represented by the Workers’ Party’s left wing ideology. Due to high taxes, many products tend to cost more in Brazil than abroad, and they feel that this revenue isn’t being converted into improvements for the population. [3]


Everybody’s a little bit lost. How do we deal with this deep political difference inside our intimate circle, with the people that we love, with the people that we have to deal on a daily basis? Illgner Geovanne, conservative YouTuber


In 2013, President Rousseff was backed by roughly three-quarters of the population. Now, amid the worst recession in 25 years and corruption scandals, two-thirds of Brazilians support her impeachment. [4] This divided opinion has resulted in a sense of polarisation among peers.
“Everybody’s a little bit lost,” says Geovanne. “How do we deal with this deep political difference inside our intimate circle, with the people that we love, with the people that we have to deal on a daily basis?” [3]
Those dissatisfied with the political and social spheres are, in theory, not conservative in the sense of wanting to maintain existing order. Yet despite their desire for change, they aren’t revolutionaries either, says Renato Essenfelder, a journalism lecturer at ESPM, who adds that many of them demonstrate conservative tendencies regarding sex and drugs. [5]



Out of the closet?

According to journalist Rachel Sheherazade – who’s known for advocating for tougher punishment for criminals, for opposing legalised abortion, and for challenging feminism – conservatives are finally ‘coming out of the closet’, with this kind of thinking prevailing among the majority of the population. “More than 90% of people say they are Christians, which means that, in essence, they are conservatives, as they have committed to keep alive the values and age-old teachings of Jesus,” she writes. She also highlights polls that suggest 87% of Brazilians support reducing the age of criminal responsibility to 16. [6]
Despite Brazil’s religious roots, extreme conservative commentators were still seen as folk figures in national media a decade ago. In recent years, however, it has become more acceptable to be conservative. Pablo Ortellado, a professor at the University of São Paulo, says that mass media have now incorporated a great number of conservatives and, in and out of the press, it’s common to see political debates and speeches dominated by moral issues such as the opposition to homosexuality and harsher rules for criminals. [7]

Companies in general do not use conservative values when trying to enter into dialogue with the young. After all, society is changing, and their focus is on those who defend those changes Débora Lima, blogger
But Geovanne still believes young conservatives are under-represented in the media. “They show young people with tattoos, smoking, being promiscuous. It’s all very different from the reality of many Brazilian teenagers,” he says. “The young men who are responsible, romantic, polite to women, who keep their hair tidy and are gentlemen, are rarely seen on television or cinema.” [3]

Young conservatives are still portrayed as weirdoes, says Lima. When dealing with issues like dating or politics, the media present those who keep traditional values as narrow-minded, as people who defend fading ideas, or as individuals who are against the natural development of society. “With regards to services and products, companies in general do not use conservative values when trying to enter into dialogue with the young,” she says. “After all, society is changing, and their focus is on those who defend those changes.” [1]



Traditional values

Aside from their opposition to the government, these youngsters are a far cry from the rebel stereotype from the ‘60s, which involved questioning parental authority and fighting for sexual liberation and the use of recreational drugs. In fact, a poll from 2014 found that 79% of Brazilians opposed the decriminalisation of abortions and cannabis. [8]
According to Letícia Barbano, a 23-year-old student and author of the blog Modéstia e Pudor, people are now realising that there are flaws in the unhindered liberal approach. Aiming to spread Christian values, a growing number of youngsters are establishing publishing companies, releasing books and setting up study groups. “Compared to other countries’ youths, the Brazilians are actually more conservative,” she says. [9]

The left wing defends issues like decriminalisation of marijuana, but we are not Switzerland. We have many problems that should be addressed before Illgner Geovanne, conservative YouTuber


In many ways, this new wave of conservatism comes as a response to Brazil’s left wing government. Geovanne is one of many youngsters who complain that the state is increasingly authoritarian, forcing people to accept customs and traditions that contradict their moral values and religious concepts. In particular, he cites the government’s defence of gay marriage, maintenance of an anti-smacking law, refusal to budge over arresting people because they’re underage, and unwillingness to allow citizens to possess guns. “The left wing defends issues like decriminalisation of marijuana, but we are not Switzerland. We have many problems that should be addressed before,” he says. [3]
Like most youngsters, the conservatives’ ultimate dream is to help build a better world. In order to achieve that, it’s not necessary to use “fancy recipes of revolutionary ideologies,” says Barbano. “What we can do is to reform the moral values of society, getting people back to following the Christian principles of love, loyalty, love of neighbour, kindness and honesty, among others.” [9]



Insights and opportunities

Young people who appreciate traditional values have certainly gotten the hang of using the internet to promote their views. It’s now easy to find conservatives on Facebook, YouTube, Twitter, Instagram or even in WhatsApp groups. Yet while they’re more organised and vocal, they’re still largely ignored by the Brazilian media (except on evangelical TV and radio stations), meaning that there’s a sizeable audience that’s not being catered towards or accurately portrayed.
Beyond expressing their socially conservative views – a Valentine’s Day ad from cosmetics brand Boticário received boycott threats and more than 20 official complaints for featuring homosexual couples – right-of-centre values are becoming more prominent in the financial sphere. [10] Due to the economic slowdown, many Brazilians are now behaving more like older generations when it comes to spending. A survey conducted by Google and the Brazilian Institute of Public Opinion and Statistics found that 80% of people researched prices before buying a present for Mother's Day in May 2016 – almost double the proportion from 2015. According to Carolina Rocha, insight manager at Google, this suggests that people are more aware of their financial limitations and they’re now ensuring they make the best use of their cash. [11]
Considering that it’s harder to get consumers’ attention in a less buoyant market, it makes sense for brands to improve the ways they reach their target audiences through mass media and socialnetworks. For young conservatives like Barbano, one way to reach them would be appeal to their values. She gives the examples of Coca-Cola and Banco Itaú, which have both emphasised family and positive life choices in past ad campaigns. She adds that in order to be successful among her group, companies must communicate using solid arguments, not just emotional appeal. “I think brands that do not use slave labour or that donate part of their profits to NGOs catch people’s attention, be them conservative or not, because we are talking about virtues, values, and it awakens a sense of empathy and generosity.” [9]



Cecília Bergamaschi is a Brazilian journalist who's been living and working in London since 2003.

She's covered various sectors, including finance and technology.




Sources

1. Interview with Débora Lima conducted by author
2. 'Jovens brasileiros têm smartphones e valores tradicionais, diz jornal', O Tempo (July 2015)
3. Interview with Illgner Geovanne conducted by author
4. ‘Brazil’s massive corruption scandal is polarizing the country’ , The Huffington Post (April 2016)
5. 'Revolucionários ao contrário: os jovens brasileiros conservadores', DCM (May 2014)
6. 'Os conservadores estão finalmente saindo do armário', Jovem Pan Online (April 2015)
7. 'A ascensão do conservadorismo no Brasil', Pragmatismo Político (April 2015)
8. 'Brazil against gay marriage: hypocrite or conservative?', Miranda H (September 2014)
9. Interview with Letícia Barbano conducted by author
10. 'Propaganda de O Boticário com gays gera polêmica e chega ao Conar’ , G1 (June 2015)
11. 'Dobra número de brasileiros que vão pesquisar preço antes de comprar presente do Dia das Mães', R7 (April 2016)

-----------------------------------------------------------------

Por que você decidiu começar o blog? Quais são as principais ideias, ou questões, que você acredita e defende?


Na verdade eu não queria criar o blog... rs... Há uma rádio (www.radiovox.org) dirigida por alunos do Olavo de Carvalho. Eu sou aluna do Olavo, e um dos membros da rádio me convidou para ter um programa semanal sobre questões relacionadas à mulher. Fiz duas temporadas e, ainda no começo da primeira temporada, surgiu a necessidade de criar um espaço onde eu pudesse publicar as indicações que eu fazia pela rádio. Assim comecei o blog. Aos poucos ele foi ganhando outro contorno e se tornando confessionalmente católico. Durante um ano de intercâmbio que fiz na faculdade tive que parar o programa radiofônico, mas continuei com o blog porque era algo que eu via que realmente estava ajudando as pessoas.
O que eu faço é o que já vi muitas outras mulheres fazendo: tentar resgatar com argumentos consistentes e linguagem acessível o papel da mulher no mundo, a importância da família, e como podemos melhorar como pessoas.
O que pode fazer o mundo ficar melhor não são receitas mirabolantes de ideologias revolucionárias. O que podemos fazer é reformar a Moral da sociedade. Fazer as pessoas voltarem a seguir os preceitos cristãos de caridade, fidelidade, amor ao próximo, bondade, honestidade, entre outros.
O que te faz ser uma pessoa boa? a policia? as leis?
Não, certamente você me responderá que é sua moral.
É, pois, reformulando uma moral que reformulamos uma sociedade.
Essa ideia não é minha. Se observarmos outras épocas, percebemos essa realidade: desde a influência cristã na era medieval e a influência disto na vida social até, em exemplos recentes, a mudança ética e moral que promoveu Hitler antes de instituir um sistema ditatorial. Estive na Alemanha e visitei alguns museus e espaços históricos. O nazismo não aconteceu de uma hora para outra: houve uma mudança gradual de valores para as pessoas passarem a enxergar um não-ariano como uma não-pessoa.
É por isso que é importante absorver o que já foi produzido de mais importante na história, filosofia, literatura, arte, música, e afins: para não cometermos os mesmos erros, e para também termos um parâmetro do que podemos fazer de acertos.



- O quão difícil (ou fácil, eu espero!) é conseguir discutir de maneira equilibrada questões mais polêmicas, como feminismo, aborto, drogas, homossexualidade, no Brasil?



Esta é uma boa questão! rs
O problema, não só do Brasil, mas do mundo - porque é um problema do ser humano, e especialmente dos jovens - é a tendência em seguir extremos e a dificuldade em analisar um tema e encontrar a verdade nele.
Se o sujeito descobre que o comunismo é ruim, é ditatorial, matou milhões de pessoas, aí ele vira liberal e começa a defender com todo seu ardor o capitalismo. Se a mulher descobre que o feminismo não é tão bom como diz ser, ela resolve cair no discurso oposto e afirmar por aí que o machismo é bom e que gosta de ser oprimida.
Quando deixamos de fazer o exercício de enxergar a realidade e questionar até que ponto determinada ideia ou teoria está pautada em experiências reais ou não, acabamos por cair em esquemas mentais que só servem para nos confundir.
Eu mesma já fui de extremos, e aos poucos fui percebendo que não era esse o caminho. Há pontos de verdade no que o pessoal “de esquerda” fala e há pontos de mentira no que o pessoal “de direita” diz.
Apesar de eu não gostar da divisão de ideias entre “direita” e “esquerda” – uma categorização moderna, diga-se de passagem, advinda da revolução francesa e difícil de se delimitar devido à complexidade da realidade – há que se admitir que existe certa conformidade entre pensamentos de pessoas “de esquerda” e pensamentos de pessoas “de direita”.
O que é preciso fazer para não se cair nos esquemas mentais que mencionei é crescer em virtudes. Isso significa melhorar como pessoa. Se você buscar ser alguém generoso, humilde, prudente, bondoso, dedicado, entre outras virtudes, aos poucos você vai criando um olhar de misericórdia sobre as pessoas. Você vai tentando compreender a pessoa muito além da ideia que ela defende. Muita gente defende o feminismo porque teve péssimas experiências com homens – desde o pai, o avô, o tio, o irmão, até os colegas de sala e o namorado. Tratar com violência uma pessoa assim não resolve a questão. Se você estiver na tentativa de ser uma pessoa melhor, você vai amar o seu próximo – ele tendo as mesmas ideias que você ou não – e vai tenta-lo trazer para o caminho da Verdade com caridade.
Sem um coração disposto a ser melhor, fica difícil analisar com clareza e sinceridade os vários lados de um tema e descobrir o que tem de verdade ou erro nele e por quê.



- Você acha que os jovens brasileiros estão mais conservadores? Em outras palavras, você vê esses jovens ganhando mais voz, mais espaço? Por quê?



Sim e Não! rs
Se pensarmos na época dos meus pais, juventude dos anos setenta, eles prezavam por certos valores muito mais do que a minha geração. Na época dos meus pais era uma vergonha uma mulher não se casar virgem. Hoje ninguém nem liga para isso. Nas rodas de jovens se você fala de castidade vão te achar quadrado.
Antes de ocorrer a revolução sexual dos anos sessenta, o que existia (na verdade ainda existe em muitos lugares hoje) é uma moralidade de plástico. Homens tinham dupla conduta de vida, uma no casamento público, outra com a amante, e as mulheres tinham que aguentar isso e sem dar alardes sobre o assunto, porque seria vergonhoso. Este tipo de conduta vem da burguesia, lá da época do Renascimento, onde o homem foi colocado como centro do mundo e se esqueceram de Deus e dos valores cristãos.
Hoje eu acho que as pessoas estão percebendo que o problema foi mais profundo, e que a solução de “liberar geral”, como propuseram os revolucionários, não funcionou muito bem.
Então o que vemos é uma tentativa de resgatar uma vida virtuosamente cristã. Percebo muitas iniciativas de muitas pessoas em criar editoras, lançar livros, instituir grupos de estudo, criar cursos e escolas – todos pautados em valores cristãos e na busca por um crescimento intelectual que reflete em um crescimento espiritual. Nesse sentido eu diria que a qualidade do “ser conservador” aumentou muito. E por que as pessoas estão fazendo isso? Porque percebemos que se não tomarmos iniciativas que mudem os rumos do mundo, seremos cobrados quando chegarmos lá no céu! rs
Eu morei um ano na Espanha e percebi não só lá, mas em todos os 16 países que visitei, o que significa a descristianização europeia. Simplesmente não se viam jovens na Santa Missa e os que eu conversava na universidade eram sujeitos com sentimentos fugazes, ideias sem fundamento, repetidores de chavões.
Lembro que na residência que morava, com outras 15 espanholas, surgiu certa vez uma discussão sobre aborto. Eu apresentei vários argumentos citando professores famosos de medicina, embriologia, e outras áreas afins, mostrando que havia vida a partir da concepção, além de outros comentários pautados na bioética. As moças simplesmente falaram: “E daí? EU acho que a vida só começa depois de três meses e essa é MINHA opinião!”. Eu fiquei chocada que um assunto polêmico foi debatido com opiniões, e não fatos.
Então se a gente tomar por parâmetro outros países, os jovens brasileiros realmente estão mais conservadores! Se tomarmos por base as gerações anteriores do próprio Brasil, o que se modificou foi a qualidade do conservadorismo, mas não a quantidade, essa talvez tenha diminuído.



- Você acha que os jovens que defendem valores mais tradicionais são bem representado na mídia e na publicidade hoje em dia? E em termos de serviços e produtos? (a moda modesta tá crescendo, não?)



Não são. A nossa cultura tem uma grande influência de movimentos e ideias de outras épocas, em especial dos movimentos revolucionários, dos marxistas, e dos teóricos liberais/libertários.
É difícil encontrar campanhas publicitárias que exaltem as virtudes nas pessoas. Quando se encontra, o vídeo geralmente se torna viral. É o que às vezes acontece com campanhas da Coca Cola e do Banco Itaú.
No fundo, o ser humano tem sede de verdade. O que é preciso é mostrar essa verdade com verdade. Explico: não adianta querer mostrar ao outro onde ele está certo ou errado com apelo emocional ou chavões. É preciso ter argumentos sólidos, baseados em relatos históricos reais (fontes primárias, por exemplo), pesquisas científicas sem vieses ideológicos, e experiências humanas do cotidiano.
Muitas campanhas publicitárias convencem por apelos físicos, pela repetição, pelo medo, pela mentira. Mas seria muito mais fácil convencer com a verdade da maneira correta. Mostrar a vida como ela é. A vida é bonita, Deus nos criou com um propósito. A História e a Ciência confirmam coisas que a Igreja já afirma há anos. Acho que o grande lance está em resgatar estas verdades, tão evidentes, tão reais, e que, por estarmos presos a abstrações tão profundas, esquecemos de enxergar o simples e belo a nossa frente.
Sobre os produtos e serviços, é verdade que algumas áreas estão crescendo – a “moda modesta” como você citou, por exemplo – mas ainda tudo está muito incipiente. É preciso primeiro que as pessoas percebam que o que estão nos ofertando não está legal e por que, e a partir daí entenderem o que seria mais correto em termos morais.
Acho que marcas que não se utilizam de trabalho escravo (http://www.modestiaepudor.com/2015/08/e-o-trabalho-escravo-reflexoes-sobre.html) e produtos que parte de seus lucros são doados para ongs chamam a atenção das pessoas, conservadoras ou não, porque estamos falando de virtudes, valores, e isso nos desperta o senso da empatia e generosidade.

You Might Also Like

0 comentários