Resenha: "Pequenos passos possíveis. Chiara Corbella Petrillo: a palavra às testemunhas"

Resenha: "Pequenos passos possíveis. Chiara Corbella Petrillo: a palavra às testemunhas"

 

Não importa o que farás, mas o que quer que venhas a fazer só terá sentido se o fizeres em função da vida eterna.

Há algum tempo, fiquei sabendo da existência de um livro sobre a vida da Chiara Corbella Petrillo, ainda não lançado no Brasil, mas já traduzido para o português de Portugal e disponível em um site de lá. Comprei e fiquei esperando chegar, contando os dias. Recebi o livro no início de fevereiro e o li em pouco tempo. E vim aqui partilhar com vocês sobre essa leitura. Confesso que demorei para escrever esta resenha porque precisei de tempo para absorver tudo, e ainda não consegui – a história da Chiara me toca de uma forma muito forte e com uma profundidade singular, mas eis a resenha.

O livro Pequenos Passos Possíveis. Chiara Corbella Petrillo: a palavra às testemunhas, lançado pela Editorial Apostolado da Oração, de Portugal, traz relatos sobre a Chiara daqueles que bem a conheceram e viveram próximos a ela, especialmente nos três últimos anos de sua vida. Logo na apresentação do livro, lemos as tocantes palavras de Enrico Petrillo, esposo da Chiara, que assim escreve:

“Meu amor, o desejo de te conhecer não está a desaparecer. Não só no meu coração, mas também no coração de tantos que encontram no teu sorriso e na tua graça os de um Outro. O Senhor atua precisamente assim: deixa-Se contemplar como que através de um véu, pela história e pelos olhos de quem já O ama, deixa-Se adivinhar apenas para nos enamorar. É a lógica do amor. (...) Como a Virgem Maria, nunca falas de ti, mas do teu Amor. Como te pareces com ela. Foi ela quem te apresentou o seu Filho, e agora tu fazes o mesmo conosco. Muitos conhecem o Senhor, mas não sabem quem os conduziu verdadeiramente a Ele. Era o nosso segredo, o teu segredo: Maria. Agora parece que é Ele a revelar-te, a querer fazer-nos conhecer uma sua filha muito amada".

Como exposto na apresentação do livro, este é resultado de um encontro ocorrido em Assis, na Itália, em 15 de setembro de 2013, para cerca de mil e duzentas pessoas. Nessa ocasião, falaram sobre a Chiara, além de seu esposo, o padre Vito, seu diretor espiritual; o senhor Roberto Corbella, pai da Chiara; Elisa Corbella, sua irmã; Daniela, sua médica ginecologista e amiga, bem como Simone e Cristiana, amigos e biógrafos da Chiara, entre outros.

É impossível retratar aqui, nesta breve resenha, toda a beleza, o encanto, a ternura, a profundidade, a força e o amor contidos nas poucas páginas desse livro. Tocou-me bastante o que li já no prefácio, do qual destaco o trecho a seguir:

“Mais uma vez, como quando li Nascemos e jamais morreremos, o que mais me impressionou foi a história do vosso namoro. Penso que foi então que se cumpriu o milagre da tua vida: então fizeste a escolha, então compreendeste esta coisa dificílima que muitos de nós compreendemos tarde de mais, por vezes nunca: que amar é o contrário de possuir. Deparaste-te com o medo de perder Enrico, fizeste as contas com o teu coração, enquanto ele as fazia com o seu, e compreenderam os dois que o verdadeiro centro da relação da vossa vida, aquilo que verdadeiramente muda o coração, enfaixa as feridas e cura, é a relação com o Senhor. Ao longo do vosso namoro, destes ambos este passo, entregando-vos os dois ao Senhor, seguros de serdes amados antes de tudo por Ele, seguros que Ele é um Pai bondoso e, portanto, livres no vosso amor. (...)

Soubestes quem eras, quem ias sendo, a partir do olhar de Deus, e não do olhar do Enrico, e creio que ele fez o mesmo. Assim, é possível amar com um amor que não exige, que não possui, que não tem medo de desiludir. Fizeste-o procurando-te na Palavra de Deus, encontrando sempre tempo para rezar, fizeste-o agarrando-te à regra dos três “p”, os pequenos passos possíveis, contra a preguiça e a inconstância.”

Deus não te pede para fazeres uma coisa se não te dá a graça para a fazeres.

A introdução do livro, bela, forte e extremamente terna, feita pelo Frei Francesco Piloni, revela-nos o caminho percorrido pela Chiara neste mundo. Uma jovem de nossos tempos que teve a graça de duas coisas essenciais e tão raras: encontrou o sentido de sua vida e soube se deixar amar verdadeiramente por Deus, na medida em que viveu com a certeza de ser filha de um Deus que ama sem medida, em toda circunstância, em todo momento. Um amor que não vacila, não falha, não trai, não se altera, não se dispersa, que jamais se ausenta, o fiel e insondável amor de Deus, a fonte de todo amor. E olhando para a vida dessa jovem, que muito nos fascina pela imensa capacidade de confiar e se abandonar sem reservas ao amor de Deus, vemos que aí está um dos segredos dela. Foram justamente essa confiança e esse abandono verdadeiros a Deus que deram a ela algo que todos buscam, mas poucos encontram genuinamente, que é a liberdade, a verdadeira liberdade: viver neste mundo na liberdade de filhos de Deus.

Falhar no amor é falhar na vida.

 “Quem conhece Deus descobre um novo paladar. Mais refinado. Não procura os sabores intensos nem quer experiências de vida insípida, banal: sobretudo no amor. O paladar é amigo de quem quer amar como Deus ama. (...) falhar no amor é falhar na vida.”

Soube entregar os seus projetos nas mãos de Deus: foi precisamente nisto que foi extraordinária.

Resenha: "Pequenos passos possíveis. Chiara Corbella Petrillo: a palavra às testemunhas"

“Tivemos de lutar com isto tudo, o que também fazia parte de uma renúncia que nos fez crescer, porque não era fácil, cansadas e depois de tantas horas passadas na escola, dedicar aquela meia hora a Deus. Talvez tivéssemos preferido passá-la à frente da televisão ou a brincar com os amigos. No entanto, aquela renúncia vinha retribuída pela força de saber que tinha dado tudo pelo Senhor e que recebias d’Ele muito mais, porque depois tudo decorria melhor, tinhas mais força, mais intuição para aquilo que devias estudar... era mais rápida. Uma outra renúncia de nossa infância foi quando decidimos rezar o Terço em família todas as noites. (...) Hoje percebo para que serviu todo este treino: compreendemos que a vida não se esgota neste mundo. 

Chiara foi extraordinária a fazer coisas normais. Soube viver com amor aquilo que o Senhor lhe pedia no momento, na alegria e no sofrimento. E nunca se perguntava: ‘E depois?’.” (Elisa, irmã de Chiara)

 “A relação que a Chiara tinha estabelecido com Maria era particular, era especial. (...) dialogava com Maria, tinha uma relação muito viva com ela!” (Padre Vito)

 A coisa mais bela é aperceber-me que crescemos em conjunto, eu e a Chiara, ao longo do namoro. Não se nasce santo: nenhum santo venerado pela Igreja nasceu santo.

“Tornamo-nos santos, se fizermos as nossas escolhas, os nossos pequenos passos. (...) durante o ‘Curso Vocacional’ voltei a entregar tudo ao Senhor. ‘Tudo’ significava tomar consciência de talvez nunca ter amado a Chiara naqueles poucos anos de namoro, porque no fundo do meu coração estava com este medo. Então, como podes discernir a tua vida e fazer a pergunta: ‘Mas é esta a mulher para mim? Mas é este o homem para mim?’, se no teu coração não te entregaste completamente, ou se no teu coração está sempre a porta da saída de segurança, o plano B de reserva? Ou seja, se ela me diz não, há sempre aquela outra moça engraçada...

Então, decidi no meu coração fechar todos os outros caminhos e empenhar-me só com a Chiara. E isto permitiu-me compreender os frutos que ela trazia para mim – no bem e no mal, mesmo nas discussões -, compreender que ela me aproximava do Senhor, me forçava a amá-Lo. Também eu O queria amar, mas juntos era mais belo. Ao mesmo tempo, também ela se tinha percebido que eu a aproximava do Senhor. Isto fazia-me muito feliz: pensar que fui escolhido pela Chiara e que ela me amou. (...)

Na base de um bom casamento está um trabalhoso namoro. É preciso não ter medo, durante o namoro, de despojar-se de si mesmo, de se mostrar como se é, de sermos nós mesmos. Quando conheci a Chiara como ela era, ainda me agradou mais.” (Enrico Petrillo)

O Senhor coloca a verdade dentro de cada um de nós e não há possibilidade de nos enganarmos acerca dela. (Chiara Corbella Petrillo)

Deixo a vocês o convite para lerem o livro e conhecerem um pouco sobre a extraordinária vida da Serva de Deus de nossos tempos, a bela amiga de Jesus e minha amiga, Chiara Corbella Petrillo, que docemente tem me ensinado a regra dos pequenos passos possíveis diários.

 

Veja também: https://www.modestiaepudor.com/artigo/chiara-corbella-petrillo

 

Dayane Negreiros

Entusiasta e divulgadora das catequeses sobre o amor humano no plano divino, de São João Paulo II, a Teologia do Corpo. Filha e devota de Nossa Senhora de Guadalupe. Pró-vida. Membro da Comissão de Bioética da Arquidiocese de Brasília.

POSTS relacionados

Já temos 5 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Jamile carvalho

Jamile carvalho

Estou encantada pela história da Chiara. Queria muito o livro "nascemos, mas jamais morreremos", porém não consigo encontrar disponível para compra.
★★★★★DIA 24.03.18 00h38RESPONDER
Letícia B
Enviando Comentário Fechar :/
Letícia B

Letícia B

Oi, Jamile! Logo ele será lançado aqui no Brasil! Quando tivermos mais infos colocaremos nas nossas redes sociais :)

★★★★★DIA 25.03.18 14h16RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Rosilene Perez

Rosilene Perez

Olá amada, eu comprei 02 livros "nascemos, mas jamais morreremos", pelo cultor de livros.
segue link
https://www.cultordelivros.com.br/
★★★★★DIA 18.05.18 16h44RESPONDER
Letícia B
Enviando Comentário Fechar :/
Valéria vs

Valéria vs

Hoje olho e vejo o quanto não entrego tudo a Deus, o quanto toda essa infelicidade dentro do peito é a ausência dELE. E toda vez que digo que quero e vou mudar eu o decepciono e me afundo de novo.
★★★★★DIA 16.03.18 18h48RESPONDER
Letícia B, Dayane Negreiros
Enviando Comentário Fechar :/
Hosana Ferreira

Hosana Ferreira

★★★★★DIA 11.03.18 18h09RESPONDER
Yvanna Oliveira, Dayane Negreiros
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/

Instagram