Santos que tiveram depressão

Santos que tiveram depressão

"Estou abatido, extremamente recurvado, todo o dia ando cheio de tristeza. Inteiramente inflamados os meus rins; não há parte sã em minha carne. Ao extremo enfraquecido e alquebrado, agitado o coração, lanço gritos lancinantes. Senhor, diante de vós estão todos os meus desejos, e meu gemido não vos é oculto. Palpita-me o coração, abandonam-me as forças, e me falta a própria luz dos olhos."  (Salmo 37, 7-11)

A depressão pode muitas vezes ter um aspecto fisiológico, como um desequilíbrio bioquímico, o que significa que a consulta médica será frequentemente um bom ponto de partida para abordar a situação e quaisquer problemas subjacentes. A depressão grave e contínua não é algo em que devemos resignar-nos ou tentarmos lidar sozinhos: a assistência profissional (de psicólogos e psiquiatras) deve ser procurada para saber as possíveis causas do problema.

Todavia, quase todos sofrem de uma forma leve de depressão em algum momento da vida e, em tais situações, as experiências de alguns santos podem nos ajudar e nos encorajar.

Os santos e a depressão

É possível que um santo - alguém que tenha saboreado a maravilha e a riqueza do amor divino muito mais profundamente do que o resto de nós - pode ser incomodado por um espírito melancólico e inquieto? Definitivamente. Por exemplo, a virgem St. Flora de Beaulieu, do século XIV, depois de uma infância normal, recusou-se a cooperar com as tentativas de seus pais de encontrar um marido para ela. Em vez disso, ela anunciou que estava se dedicando a Deus e entrou em um convento. Isso, no entanto - mesmo que fosse sua vocação - precipitou um período intenso e prolongado de depressão, afetando seu comportamento de uma forma que irritou demais as outras irmãs. Eventualmente, com a ajuda de um confessor compreensivo, Flora resistiu a este período e fez um grande progresso espiritual por causa disso.

Dois santos franceses do século XVII sofreram muito com a depressão - por razões muito diferentes. O padre jesuíta St. Noel Chabanel era um dos mártires norte-americanos; ele trabalhou entre os índios Huron com St. Charles Garnier. Os missionários muitas vezes se tornam muito simpatizantes com aqueles a quem evangelizam, mas esse não foi o caso do Pe. Noel: ele sentiu uma forte repugnância pelos índios e seus costumes. Isso, juntamente com a dificuldade em aprender sua língua, entre outros desafios semelhantes, causou um sentimento duradouro de tristeza e sufocação espiritual. Como ele respondeu? Fazendo um voto solene de nunca desistir ou deixar sua tarefa - um voto que ele manteve até o dia do seu martírio.

Uma forma diferente de santidade heroica foi praticada por St. Jane Frances de Chantal. Ela viveu feliz casada com o Barão de Chantal por oito anos. Quando seu marido morreu, seu sogro - um velho vaidoso e teimoso - forçou Jane e seus três filhos a se mudarem com ele. Não é surpreendente que Jane tenha ficado muito deprimida. O que talvez seja surpreendente (pelo menos para a nossa sociedade, em que as pessoas acham bonito reclamar e reivindicar o status de "vitimização") é como Jane reagiu: ela escolheu permanecer alegre e responder à crueldade de seu sogro com caridade e compreensão. Muito tempo se passou e, mesmo depois de formar uma amizade calorosa e santa com o grande bispo São Francisco de Sales e trabalhar com ele para estabelecer uma ordem religiosa para as mulheres mais velhas, Jane ainda experimentou momentos de sofrimento e julgamento - mas ela continuou a responder permanecendo alegre e ativa.

 

Manter-se ocupado também provou ser uma linha de vida em meio aos mares da depressão para Santo Agostinho, uma das maiores figuras da Igreja – e da Civilização Ocidental. Sua mãe, Sta. Monica, sem dúvida merecia ótimas graças simplesmente por ter suportado pacientemente o humor e a imprevisibilidade de seu filho brilhante. Agostinho procurava a verdade, mas em seus próprios termos, e depois de muitos anos - com as inúmeras orações de sua mãe e sua admiração pelo grande bispo St. Ambrósio - ele finalmente se rendeu a Deus e aceitou o batismo. Logo depois sua mãe morreu e, durante os mais de quarenta anos que se seguiram, sua poderosa personalidade - santificada, mas não apagada pela graça divina - manifestava-se muitas vezes em uma tendência à raiva intensa e à depressão severa. Santo Agostinho levantou-se acima desses grilhões através da oração, do sacrifício e do trabalho. De fato, suas responsabilidades como bispo e seus escritos em defesa da Igreja o mantiveram muito ocupado.

Outra personalidade poderosa - também dada a sentimentos de profunda inquietação e sofrimento - era a de Santo Inácio de Loyola. Em sua autobiografia (escrito na terceira pessoa), Inácio declarou: "As coisas que ele viu fortaleceram-no então e sempre lhe deram tanta força em sua fé que ele muitas vezes pensava consigo mesmo: se não houvesse Escrituras para nos ensinar essas questões de Fé, ele seria resolvido a morrer por eles, apenas por causa do que ele havia visto”. Esse senso de certeza e convicção não havia sido fácil. Após a sua conversão para a Fé, Inácio teve que lutar por um período que viveu a escrupulosidade (na qual ele estava tentado a desesperar de ser sempre digno aos olhos de Deus), seguido de uma depressão tão grave que ele considerou o suicídio. Claro, ele perseverou, e Deus o retirou do poço escuro do sofrimento interior pelo qual ele estava preparado para fazer grandes coisas em nome de Cristo e de Sua Igreja. Inácio experimentou de primeira mão o que ele mais tarde chamaria de “desolação” em seus Exercícios Espirituais. Muito parecido com a depressão, a desolação é um estado em que nos sentimos inquietos, irritados, desconfortáveis, inseguros de nós mesmos e nossas decisões, assaltados por dúvidas e incapazes de perseverar em nossas boas intenções. De acordo com Inácio, Deus não pode causar a desolação, embora Ele possa permitir isso para os Seus próprios propósitos - para nos lembrar de nossa profunda necessidade por Ele ou "abalar" um pecador para provocar o arrependimento.

Sentimentos de desolação, segundo Inácio, muitas vezes são causados ​​ou provocados pelo maligno, especialmente depois de termos tomado medidas práticas para crescer em santidade ou discernir e seguir a vontade de Deus. Baseado em parte em sua própria experiência, São Ignácio de Loyola oferece três conselhos muito importantes para qualquer pessoa que esteja passando por uma desolação:

- Não altere uma boa resolução anterior, pois depois de tomar uma decisão agradável a Deus, o Diabo pode tentar fazer você ter um segundo pensamento.

- Intensifique suas atividades religiosas - ou seja, gaste mais tempo em oração, meditação e boas ações. Pois, se as tentações de Satanás apenas o fazem aumentar seus esforços para crescer em santidade, ele terá um incentivo para deixá-lo em paz.

- Perseverar com paciência, pois a autoridade do demônio e a habilidade de assaltar você é estritamente limitada por Deus, o que significa que você Será aliviado de seus sofrimentos espirituais se você aguentar o suficiente.

Como descobriu Inácio, a depressão pode ser um grande desafio espiritual - e também uma ótima oportunidade de crescimento. É importante manter isso em mente sempre que sofremos de depressão e nos voltarmos para os santos e sua intercessão.

Outros Santos que sofreram com a depressão

Santa Edith Stein (também conhecida como Santa Teresa Benedita da Cruz) sofreu um longo período com a depressão. Certa vez ela escreveu: “Eu gradualmente me encontrei em um profundo desespero...Eu não podia atravessar a rua sem querer que um carro me atropelasse e eu não saísse viva dali”. Desde sua futilidade espiritual (antes de se converter) até vários momentos que foi desprezada e humilhada por ser mulher e judia, Edith sofreu intensamente com a depressão. Quando ela finalmente encontrou a Verdade que tanto buscava, recebeu de Deus a graça da perseverança e a força para lidar com todos os seus sofrimentos internos que passava em uma época que a depressão não era vista como doença.

São João Maria Vianney, o conhecido Cura D’Ars, apesar de todo o bem que fazia, não conseguia enxergar o quão útil era a Deus e pesava sobre sua alma uma profunda depressão que o abateu durante toda a vida. Nos momentos mais difíceis ele recorria ao Senhor e tomava a resolução de continuar seu trabalho, apesar de toda a dor.

Santa Elizabeth Ann Seton se sentia muito solitária e melancólica e pensou por várias vezes em suicidar-se. Ela teve muitos problemas em sua vida, especialmente relacionados à sua família. Leituras, música e o mar a ajudaram a ser mais alegre. Quando se converteu, a Eucaristia e a caridade passaram a ser sua grande força diária!

Sta. Dymphna foi filha de um rei poderoso da Irlanda do século VII. Depois de sofrer a perda de sua mãe, Dymphna ficou horrorizada ao saber que seu próprio pai pretendia se casar com ela. Ela fugiu para uma pequena aldeia chamada Gheel, que agora é conhecido como um famoso refúgio e local de cura para aqueles que sofrem de todas as formas de doença mental. Ela é a padroeira das pessoas que sofrem com ansiedade e depressão.

 

Conselhos Adicionais

- St. Felipe Neri, conhecido por sua constante alegria, costumava rezar: "Deixe-me passar hoje, e não terei medo de amanhã".

- “Refresque-se com músicas espirituais, que muitas vezes provocaram o demônio a cessar as suas artimanhas, como no caso de Saul, cujo espírito maligno se afastou dele quando Davi tocou sua harpa perante o rei. Também é útil trabalhar ativamente, e com toda a variedade possível, de modo a desviar a mente da causa de sua tristeza” (São Francisco de Sales)

- “Eu não sei qual será seu destino, mas uma coisa eu conheço: os únicos entre vocês que serão realmente felizes são aqueles que buscaram e encontraram como servir”. (Albert Schweitzer)

- Santa Teresa D’Avila teve muita sensibilidade para com as irmãs que eram melancólicas e depressivas. Ela sugeria que elas se divertissem ao invés de ter longas horas de oração e jejuns. Para alguém inclinado ao sacrifício, se divertir pode ser mais mortificante que se privar de alimentos. Quando pensamos depressivamente, toda a nossa vida pode parecer dolorosamente longa. Nós dizemos coisas como: "Eu sempre me senti assim", "Nunca vou ficar bem" e "Estou destinado a ser solitário". Santa Teresa de Ávila lhe dirá: "A dor nunca é permanente". Quando não podemos nos concentrar ou não temos vontade de rezar porque estamos deprimidos, Santa Teresa de Ávila nos diz: "A oração é um ato de amor, as palavras não são necessárias. Mesmo que a doença distraia os pensamentos, tudo o que é necessário é a vontade de amar ".

- “Desistir é uma solução permanente para um problema temporário” (James MacArthur)

Algo que você pode tentar

- Manter as coisas em perspectiva. Como observa São Agostinho, “todas as manhãs você coloca suas roupas para cobrir sua nudez e para proteger seu corpo contra o mau tempo. Por que você também não veste sua alma com a veste da fé? Lembre-se todas as manhãs das verdades do seu credo e olhe para si mesmo no espelho da sua fé. Caso contrário, sua alma logo estará nua com a nudez do esquecimento”. Em certo sentido, Agostinho está apontando a importância de começar o dia com a oração. Se esta oração nos ajuda a lembrar que recebemos todas as coisas boas de nosso Pai amoroso, que também nos oferece uma eternidade de alegria e realização, será mais fácil lutar contra a depressão e manter as coisas na perspectiva apropriada.

- Simplesmente identificar seus problemas pode ajudá-lo a se sentir melhor sobre eles. Faça uma lista de todas as coisas que o pressionam. Divida os itens em duas categorias: aqueles que você não pode fazer nada e aqueles que você pode. Pegue o primeiro e coloque-os nas mãos de Deus, em seguida, pegue o último e, começando com o mais fácil, faça alguma coisa!

- Se sofre de depressão grave ou em curso, procure ajuda médica. Ligue para o CVV (188 ou https://www.cvv.org.br/) ou procure ajuda em Centros de Atenção Psicossocial (CAPs) ou psicólogos particulares.

Leitura adicional

Provérbios 12:15; Provérbios 15:15; Salmo 76: 1-14.

Minha força falha;

Sinto apenas fraqueza, irritação e depressão.

Estou tentado a reclamar e a desesperar.

O que se tornou a coragem de que eu estava tão orgulhoso,

e que me dava tanta autoconfiança?

Além da minha dor, eu tenho que suportar a

vergonha da minha fraqueza inquieta.

Senhor, destrua meu orgulho; não deixe nenhum recurso.

Quão feliz eu devo estar se você puder me ensinar

por essas terríveis provações, que não sou nada,

que eu não posso fazer nada e que você é tudo!

 

Traduzido do original do portal Catholic Exchange. Acréscimos com informações do XT3 e Healthy Catholics

Conforme o original, uma parte deste texto está no livro (agora em português!) "A solução dos santos para nossos problemas", do Frei Joseph Esper, Editora Petra (obrigada, leitora Fabíola, pela dica!)

Equipe Modéstia e Pudor

Textos coletivos ou de autoria de outras pessoas que não são diretamente colaboradoras do blog

POSTS relacionados

Já temos 6 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Fabiola Huguenin

Fabiola Huguenin

Olá! Ótimo artigo!
Sò acho interessante que vocês editem com a informação que este texto é do livro "A solução dos santos para os nossos problemas", do Frei Joseph M. Esper, conforme consta no site CatholicExchange que vocês citam no final. No link original, a citação é para a edição de língua inglesa, mas a edição em português foi impressa no ano passado pela Editora Petra.
★★★★★DIA 08.02.18 17h57RESPONDER
Letícia B
Enviando Comentário Fechar :/
Jaqueline Andreza Rodrigues

Jaqueline Andreza Rodrigues

Excelete texto. Amei a formação. Nos ajuda para que nos cuidemos e também, zelemos e tenhamos misericordia com os nossos que possam sofrer desse mal que cuidado, bem pode ser um breve passageiro de frutos e melhorias pra Glória de Deus e purificação de seus filhos.
★★★★★DIA 05.01.18 15h22RESPONDER
Letícia B
Enviando Comentário Fechar :/
Andrielly M.

Andrielly M.

Que conteúdo belíssimo, muito importante e de necessária reflexão.
Muitos católicos tendem a negar que estão em processo de depressão, e não aceitam buscar ajuda.
Até os santos passaram por isso. Alguns não tiveram os recursos modernos para um tratamento, mas na contemporaneidade a Providência Divina nos deu profissionais para isso. Bendito seja Deus que conduz tudo com amor!
★★★★★DIA 03.01.18 16h11RESPONDER
Letícia B
Enviando Comentário Fechar :/
Gabriela A.

Gabriela A.

Obrigada!
★★★★★DIA 01.01.18 22h27RESPONDER
Letícia B
Enviando Comentário Fechar :/
Amanda Franco

Amanda Franco

Que belo texto! Vejo que o caminho da santidade requer coragem para resistir aos obstáculos do maligno. Esse texto me fortaleceu a vencer essa dificuldade na minha vida buscando oração diária e comunhão (2x semana, pelo menos), terapia (pois acredito que Deus tmb capacita outras pessoas para nos ajudar) e leituras sobre o tema. Eu creio que com Deus meu esforço não será em vão!
★★★★★DIA 03.12.17 21h12RESPONDER
Letícia B
Enviando Comentário Fechar :/
William Brito

William Brito

Nunca imaginei que um santo poderia sofrer com esse tipo de doença.
★★★★★DIA 03.12.17 16h29RESPONDER
Letícia B
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/

Instagram